Esquiva.

Sentimento e razão vivem dias de tempestade. Sinto amor e ódio. Quero perdoar e vingar. Quero me violentar e sair em busca do prazer, deste prazer que é desculpa para todos as fraquezas do homem e atrás do qual os covardes se escondem. E talvez assim ter anestesiada esta dor profunda, importante e verdadeira. Insuportável e indizível.
Meu coração é uma ferida aberta e, para meu castigo, sinto-me condenada por um crime que não é meu.Passo os dias a me inundar de afazeres, para não pensar. Passo as noites tentando adormecer na esperança de que não haja um novo amanhã.
Desejaria que meus pés já não pisassem mais este chão, que minha alma já tivesse partido em busca de paz. Sou humanamente incompetente para lidar com esta dor que me invade.
Lancinante e imensurável.

2 personagens:

Gaúcho disse...

Estou enganado ou existe um sentimento de perda por detrás de toda essa dor? Fica na toca raposinha! Fique quieta até tudo passar: a primavera não tarda!

Abraços do Gaúcho.

Roberto Borati disse...

olá, olá!


ah, que isso....as coisas são simples, o que não são...bom, deixa pra lá...rs

obrigado sempre pelas visitas, pelas palavras, pelo sentir...tempo que não passa por lá, heim...

té!

Postar um comentário